Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Governo garante que solução para ENVC está a ser trabalhada com Bruxelas

O Governo, pela mão do Ministério dos Negócios Estrangeiros, veio a terreno garantir que está a ser trabalhada junto da Comissão Europeia uma solução para os Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), referindo ser "falso" que Portugal não tenha justificado as ajudas públicas.

“O Governo português apresentou as suas observações sobre o processo formal de investigação, atempadamente e como lhe competia, a 12 de março de 2013. A Comissão está presentemente a avaliar as observações e as informações adicionais apresentadas por Portugal”, pode ler-se no comunicado do Ministério, que fala também em “declarações adulteradas de alguns intervenientes políticos”.

O comunicado surge no seguimento das acusações por parte do presidente da Câmara de Viana do Castelo que afirmara que o ministro da Defesa não mexeu "uma palha” para justificar as ajudas públicas de 181 milhões de euros, apesar da “disponibilidade” de Bruxelas para “avaliar” uma reestruturação da empresa que justifique esses apoios e evite o encerramento e o despedimento de 620 trabalhadores.

Ainda nesse documento, o Ministério dos Negócios Estrangeiros refere que “continuará a trabalhar para concluir com sucesso, desejavelmente até outubro”, procurando "uma solução, trabalhada em conjunto com a Comissão Europeia, que melhor salvaguarda o interesse dos contribuintes portugueses, a empregabilidade e a continuidade da actividade industrial na região”.

fonte