Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

APAT associa-se ao protesto sobre a greve no Porto de Lisboa

A APAT – Associação dos Transitários de Portugal, à semelhança da AGEPOR – Associação dos Agentes de Navegação de Portugal, veio condenar a greve que teve início terça feira, “ tendo em conta os sérios prejuízos que a mesma acarreta para os operadores económicos que utilizam o porto de Lisboa”. Segundo a AGEPOR esta nova paralisação afasta “navios e cargas, prejudicam e encarecem as exportações, e finalmente põem em risco os postos de trabalho de todos que desenvolvem a sua atividade no porto de Lisboa”.

Também a A-ETPL – Associação – Empresa de Trabalho Portuário (ETP) Lisboa, a AOP – Associação Marítima e Portuária, e a AOPL – Associação de Operadores do Porto de Lisboa já condenaram a nova greve de um mês convocada pelos sindicatos do setor portuário. Para as associações de empregadores do porto de Lisboa mais esta greve irá “acelerar o definhamento do porto, em prejuízo das empresas, dos próprios trabalhadores e da economia nacional”.

António Mariano, presidente do Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul, disse à Lusa que "se, efetivamente, continuarem a utilizar trabalhadores estranhos à atividade no meio do circuito de operação portuária, os trabalhadores vão mesmo parar totalmente. Não iremos aceitar e podemos mesmo parar totalmente, não o Porto de Lisboa, mas a operação”.

Esta paralisação parcial decorre entre as 9 horas e as 10 horas nas primeiras duas semanas. Nas duas semanas seguintes vão parar entre as 9 horas e as 10 horas, e entre as 15 horas e as 16 horas, terminando a 22 de julho.

fonte