Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

OUTRA ATENÇÃO ÀS NOVAS POTENCIALIDADES NO SECTOR DO TRANSPORTE MARÍTIMO

Empresários americanos aconselham etapa do Ironman ou regata nos Açores

Relatório norte-americano defende maior agressividade na promoção da região, mais ligações aéreas aos Estados Unidos e outra atenção às novas potencialidades no sector do transporte marítimo.

Os reparos são subtis mas encontram-se disseminados ao longo do relatório do grupo de empresários norte-americanos, do Business Executives for National Security (BENS), entregue às autoridades portuguesas depois de visitarem os Açores e Lisboa a propósito da redução do contingente militar na Base das Lajes.

É ao nível do sector do Turismo que as observações mais se notam. Depois de testemunharem a "espectacular topografia e atracções naturais para turistas" dos Açores, os empresários assinalam "algumas limitações e desafios" com que se viram confrontados. Para lá da oferta "limitada" de voos, assinalaram o facto do "mercado americano estar largamente ignorado" e um fraco marketing da região.

Por isso, identificaram a "necessidade de uma melhoria dramática no marketing", capaz de potenciar o "potencial significativo de crescimento" do sector, através de "uma campanha agressiva".

O grupo de empresários avança mesmo com uma proposta de plano para "realçar a visibilidade nos Estados Unidos e na Europa". Apostando no "turismo direccionado", o relatório sugere a possibilidade de se "encontrar um evento que permitisse um acréscimo de visibilidade rápido e global".

E dão mesmo exemplos. "Acolher uma prova de Triatlo Ironman fornece o tipo de oportunidade que traria à Terceira uma actividade internacionalmente proeminente", que "providenciaria visibilidade e cobertura mediática, e verbas nas actividades de suporte à corrida".

Outra alternativa seria, segundo os responsáveis pelo relatório, uma regata de longo curso que "recuperasse uma conhecida rota para a América do Norte de um dos primeiros navegadores portugueses".

Mas para tal, o Governo Regional e as autoridades portuguesas teriam de enfrentar as "limitações e desafios" identificados. Nomeadamente, a questão das pontes aéreas para os Açores. Obstáculos como o facto de nenhuma companhia aérea americana voar para os Açores ou a desvantagem da SATA voar apenas para Boston.

O relatório aproveita também para fazer uma observação velada sobre dois projectos marítimos, a saber, a proposta de acrescentar uma segunda grua de grande porte ao porto e o projecto apresentado pela Câmara de Comércio de Angra para a instalação de um hub portuário no porto oceânico de Praia da Vitória. "O BENS não está em condições de fazer qualquer comentário definitivo. No entanto, vale a pena assinalar em relação à segunda proposta que vários portos, em Portugal e na Europa, estão a realizar avultados investimentos antecipando o arranque do tráfego de contentores Triple-E e New Panamax, provavelmente, em consulta com operadores de linha."

Vinho e flores

Outra área em que transpira uma subtil crítica à falta de proactividade portuguesa reporta ao negócio internacional da floricultura e da vinicultura. O relatório aconselha os açorianos e os portugueses a "abordar os importadores norte-americanos para tentar a penetração no mercado americano". Isto porque a relação qualidade-preço é defendida como um "vector útil para crescimento" dos vinhos açorianos. Abordam da mesma forma o mercado das flores exóticas. "O mercado holandês oferece uma oportunidade para que os produtores açorianos enviem os seus produtos por mar, a um preço bem mais reduzido que as flores exóticas provenientes, principalmente, de Israel ou de África".

O relatório, enviado a 15 de Março ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, da Defesa e ao Governo Regional dos Açores, através da embaixada norte-americana em Lisboa, foi o resultado da visita de oito dias aos Açores e Lisboa.

O objectivo era "identificar possíveis oportunidades de desenvolvimento económico e estratégias para mitigar ou compensar o impacto na economia local das transformações na Base das Lajes". No documento são aventadas possibilidades de duas ordens. No curto prazo, apostar em call centers, data centers, vinhos e flores. No longo prazo, tentar o investimento imobiliário, o negócio do registo de aeronaves e logística marítima.

fonte