Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Salvamento marítimo vai ser reforçado com a aquisição de mais duas embarcações

A Marinha vai receber duas novas embarcações semirrígidas para salvamento marítimo de média capacidade através de um investimento de 330 mil euros, confirmou à agência Lusa fonte oficial daquele ramo das Forças Armadas.

O concurso público para a construção das duas embarcações foi lançado em março pelo ministério da Defesa sendo estes meios, com cerca de nove metros de comprimento por três metros de largura, semelhantes aos que estão ao serviço das capitanias dos portos de Cascais e do Funchal.

"Esta aquisição encontra-se incluída num projeto iniciado em 2007, num total de 15 embarcações, definido e aprovado pela tutela governamental, e que tem como objetivo a substituição gradual dos meios de salvamento marítimo das estações salva-vidas do continente e regiões autónomas", explicou a fonte.

Ainda segundo a Marinha, trata-se de um investimento "em linha com o tipo de missão a desenvolver e incrementando o desenvolvimento tecnológico, apetrechando o dispositivo do salvamento marítimo com unidades mais modernas, mais velozes e com superior capacidade de socorro".

Em janeiro deste ano, o diretor-geral da Autoridade Marítima garantiu que Portugal está melhor preparado para acudir a uma situação como a que envolveu o barco 'Luz do Sameiro', face ao reforço do dispositivo de salvamento.

"Estamos num patamar, em termos de equipamento, elevado. Temos uma cobertura do país com embarcações deste tipo, num programa que veio no seguimento do grande acidente com o 'Luz do Sameiro'", explicou, em Viana do Castelo, o almirante Álvaro Cunha Lopes.

A embarcação de pesca 'Luz do Sameiro' naufragou em dezembro de 2006 junto à praia da Nazaré e só um dos sete tripulantes do barco, de nacionalidade ucraniano, é que foi salvo.

O acidente deu-se a 20 metros da costa e colocou em causa a estrutura nacional de socorro disponível para emergências deste tipo, levando o Governo a anunciar um plano de reequipamento.

Depois disso, no âmbito deste programa, foram adquiridas para a Marinha, até 2012, dez lanchas de salvamento rápido, semelhantes às previstas no concurso agora aberto, com cerca de nove metros de comprimento e velocidades que chegam aos 40 nós.

A 29 de janeiro deste ano foram entregues em Viana do Castelo mais duas destas, construídas no estaleiro local da Searibs, já responsável pela entrega das primeiras cinco do género.

"Caracterizam-se pela sua grande velocidade, porque rapidamente chegam aos locais de acidente, e pelo comportamento que têm no mar", explicou o almirante Álvaro Cunha Lopes, durante a sessão de entrega das novas embarcações.

O plano de reequipamento que se seguiu à tragédia com os pescadores do 'Luz do Sameiro' envolveu ainda a aquisição de três salva-vidas de grande capacidade, da classe vigilante, distribuídos por Viana do Castelo, Sagres e Peniche.

"Os meios são sempre necessários. Já temos uma cobertura que nos permite estar folgados, por assim dizer. Mas, evidentemente que se tivermos capacidade, vamos ainda melhorar essa cobertura", rematou, na altura, Álvaro Cunha Lopes.