Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MANUEL PINTO DE ABREU

Mar «ainda não é um factor determinante» na economia

O secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, defendeu terça-feira que o mar «ainda não é» um «factor determinante» na economia nacional e que há que «inverter esta situação».

Em declarações à agência Lusa em Ponta Delgada, à margem de um seminário promovido pela secção regional dos Açores da Ordem dos Engenheiros, Manuel Pinto de Abreu declarou que se pretende com a Estratégia Nacional para o Mar (ENM) promover a “valorização” económica, social e ambiental com “benefícios de prosperidade” para “todos os portugueses”.

“Quando olhamos para o que é o impacto na economia nacional do mar realmente verificamos que ela é bastante reduzida, um contributo sem brilho de um país que se quer marítimo. Queremos que este paradigma mude definitivamente e o mar passe a ter um peso capaz na economia nacional”, afirmou o secretário de Estado do Mar.

Manuel Pinto de Abreu identificou como vetores de ação da ENM, aprovada a 27 de fevereiro e que está em fase de discussão pública, a pesquisa e conhecimento, exploração dos recursos que o meio ambiente do mar oferece e a preservação.

O titular da pasta do Mar destacou que se pretende que sejam criados uma série de projetos para estes vetores da ENM. Para além das verbas do Orçamento de Estado, vão surgir para a ENM verbas comunitárias ao abrigo do novo orçamento europeu plurianual.

Referindo-se especificamente aos Açores, o secretário de Estado do Mar considerou que a região, que “tem tradição de ação” no mar, “tem atores com reconhecida competência internacional”, daí que tenha uma “palavra a dizer”.

“E tem de a dizer através de uma participação profunda, objetiva, no traçar da nova estratégia nacional para o mar”, concluiu Manuel Pinto de Abreu.

Diário Digital com Lusa