Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Empresa holandesa vai tentar pôr a flutuar navio encalhado em praia da Murtosa

Uma empresa holandesa vai tentar pôr a flutuar o cargueiro "Merle", encalhado há mais de dois meses na praia do Muranzel, na Murtosa, disse à Lusa a Marinha.

Segundo a mesma fonte, a operação de assistência marítima para a reflutuação do navio, foi adjudicada à empresa de salvamentos marinhos "Mammoet Salvage", da Holanda.

De acordo com o comunicado da Marinha, os trabalhos passam pela retirada das matérias poluentes e outros resíduos perigosos e pelas ações preparatórias para a operação de remoção do casco com a sua reflutuação.

Posteriormente, o navio será rebocado para porto seguro, com a utilização de recursos portugueses, humanos e equipamentos do tipo rebocador oceânico, disponíveis na frota das empresas Rebonave e Reboport.

A assinatura do contrato para a realização da operação de assistência marítima ao "Merle" acontece um mês depois de ter expirado o prazo para a apresentação do plano de remoção do navio.

No entanto, o comandante do Porto de Aveiro, Luciano Oliveira, que acompanhou todo o processo, disse à Lusa que o proprietário do navio e a companhia de seguros tinham pedido uma prorrogação do prazo, devido à "complexidade da operação a realizar".

O cargueiro, com bandeira das Ilhas Cook, encalhou na manhã de 19 de janeiro, a sul da praia da Torreira, quando seguia sem mercadoria com destino a Huelva, em Espanha.

Na altura do acidente, as condições marítimas eram muito adversas.

Os seis tripulantes do navio (cinco turcos e um cidadão do Azerbaijão) foram evacuados pelos meios da Polícia Marítima a partir de terra e foram assistidos localmente pelo INEM, seguindo depois para o Hospital de Aveiro apenas para observação.

Inicialmente, as autoridades avançaram que o incidente terá ter sido provocado pelo mau tempo que se fez sentir e pela entrada de água na casa das máquinas, o que fez com que o navio ficasse desgovernado e fosse encalhar no areal.