Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Exportações recuperam fôlego e crescem 5,6% em Janeiro

Exportações para a União Europeia registaram primeiro aumento desde Agosto de 2012, mas maior contributo vem do crescimento do mercado extracomunitário.

As exportações nacionais contrariaram os últimos dois meses de queda e registaram um aumento homólogo de 5,6% em Janeiro, de acordo com o boletim publicado nesta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

As exportações nacionais contrariaram os últimos dois meses de queda e registaram um aumento homólogo de 5,6% em Janeiro, de acordo com o boletim publicado nesta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. Já as importações desaceleraram o ritmo de queda face a Dezembro, tendo caído 6,9% em Janeiro.

O mercado externo à União Europeia teve um contributo significativo para este novo fôlego do sector exportador. As exportações para fora do espaço comunitário aumentaram 12% em Janeiro, em comparação com o mesmo período de 2011. O crescimento desta fatia das exportações traduz-se num benefício de 115 milhões de euros face ao ano anterior.

O benefício de 115 milhões de euros do mercado extracomunitário superou o benefício de 88 milhões de euros que resultou do aumento de 3,3% nas exportações para dentro da União Europeia.

Apesar de o contributo do mercado extracomunitário ter ultrapassado o aumento do contributo do mercado comunitário, este último mantém-se como o principal cliente das exportações nacionais. No total, o valor das exportações comunitárias em Janeiro de 2013 superou 2,5 vezes o valor da fatia do mercado para fora dos 27 (2656 milhões de euros face a 1082 milhões de euros).

Mas o mercado europeu trouxe boas notícias para as exportações nacionais. Janeiro de 2013 foi o primeiro mês de crescimento de exportações comunitárias desde Agosto de 2012. No registo mensal, as exportações comunitárias aumentaram 25,8%, mais do que o crescimento mensal de 6,3% do mercado externo à Europa.

Em Novembro e Dezembro, o INE registou quedas homólogas mensais no valor das exportações de 0,1 e 3,2%, respectivamente. Estas quebras no sector exportador tiveram como causa o enfraquecimento do mercado europeu nos últimos meses de 2012. Um enfraquecimento que parece não se ter estendido para Janeiro.

Este factor foi particularmente gritante em Dezembro, mês em que as exportações para o espaço comunitário europeu caíram 5,7% e as exportações para fora da União Europeia cresceram 2,7%, em relação ao mesmo mês de 2011.

No registo do conjunto dos três meses até Janeiro, divulga nesta terça-feira o INE, as exportações cresceram 1%. Quer isto dizer que o peso do aumento de 5,6% no arranque do ano compensou as quedas do final de 2012.


A queda das exportações no final de 2012 foi o principal contributo para o agravamento da recessão no quarto trimestre. De acordo com os dados divulgados na segunda-feira pelo INE, as exportações caíram 0,5% nos últimos três meses de 2012, o que motivou o agravamento da recessão para uma queda de 3,8% do Produto Interno Bruto nesse período.

Importações abrandam queda
Do outro lado da balança comercial, as importações prosseguem o caminho de queda, tendo registado uma quebra homóloga de 6,9% em Janeiro, menos um ponto percentual do que a queda de 7,9% registada em Dezembro. Sinal de que a queda das importações está a abrandar foi o crescimento em termos mensais, que o INE coloca nos 5,3%.

Com o prolongamento da evolução em sentido contrário das exportações e importações, o saldo da balança comercial registou nova melhoria em Janeiro. Face ao mesmo mês de 2011, o défice da balança comercial caiu para os 10,76 mil milhões de euros, contra os 16,37 mil milhões.

No total, Portugal importou 4399 milhões de euros em Janeiro de 2013, uma queda de 327 milhões face ao mesmo mês de 2011. A principal quebra foi registada no mercado extracomunitário, onde as importações caíram 8,3% em termos homólogos. Já as importações comunitárias caíram 6,4% no primeiro mês de 2013.

Mas, onde se verificam quedas homólogas, registam-se também crescimentos mensais. Face ao mês de Dezembro, as importações intra-UE aumentaram 2,2% e as encomendas ao mercado extra-comunitário cresceram 13,6%.

Espanha, motor do crescimento das exportações
Dos três principais parceiros das exportações nacionais, apenas Espanha registou um aumento no contributo homólogo nas contas das exportações de Janeiro. Em Janeiro de 2012, Espanha importou 831 milhões de euros a Portugal, menos 53 milhões do que os 884 milhões de euros registados em Janeiro de 2013.

A Alemanha manteve-se essencialmente em linha com o contributo homólogo (467 milhões de euros em Janeiro de 2012 contra 466 milhões de euros registados no primeiro mês de 2013).

Já a França, por outro lado, sofreu ume queda de 23 milhões de euros no que toca à contribuição para o bolo das exportações portuguesas. Em Janeiro de 2012, a França contribuiu com 485 milhões de euros para as exportações portuguesas, mais do que os 462 milhões de euros anunciados nesta terça-feira.

fonte