Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

«FUNCHAL» INCLUÍDO

Quatro paquetes portugueses apresados vendidos a empresário nacional

O negócio foi confirmado à TSF e envolve o paquete Funchal, bem como outros dois paquetes apresados em Marselha e um outro arrestado no Montenegro.

Três dos quatro paquetes que se encontram arrestados em dois portos europeus bem como o paquete Funchal, que está a ser reparado em Lisboa, foram comprados por um investidor nacional.

Por seu lado, o presidente da Confederação de Sindicatos Marítimos e Portuários diz ter tido conhecimento desta venda destes barcos e acredita que o «objetivo é a recuperação dos navios».

Alexandre Delgado crê ainda que o novo dono pretenderá também «regularizar as situações» para que os quatro navios voltem ao mar «ao circuito dos cruzeiros».

«Vimos aqui uma grande oportunidade de podermos meter 300 a 400 portugueses a trabalhar», adiantou este sindicalista sobre esta venda que envolve três embarcações retidas em Marselha e no Montenegro e o Paquete Funchal, encostado há anos numa doca nas proximidades do Parque das Nações.

Apesar disto, Alexandre Delgado lembrou que «não se põe de imediato os navios a navegar, porque os navios perderam os certificados e é preciso readquirir tudo nas entidades internacionais».

Os cerca de 500 trabalhadores portugueses destes paquetes portugueses, que incluem o paquete Funchal, que está a guarda do Porto de Lisboa por causa de dívidas, estão sem salário desde outubro.

TEJO VIGNETTE - GALERIA DE 120 FOTOS