Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Governo quer privatizar estaleiros de Viana até Fevereiro

O Governo espera concluir o processo de reprivatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo até Fevereiro. No Instituto Hidrográfico, o ministro da Defesa lembrou que a direcção de concorrência europeia pediu esclarecimentos ao Ministério das Finanças que já foram dados.

Aguiar-Branco revela agora que ao Governo português só resta esperar. “O objectivo do Executivo era tomar a sua decisão até ao final do ano passado. Como houve este pedido de informação suplementar, é natural que ocorra até ao final do mês de Fevereiro.”

O ministro da Defesa admitiu sentir alguma frustração por não ter dinheiro para investir no mar, uma prioridade ignorada pelos governos em anteriores, que construírem inúmeras auto-estradas. “O que foi o modelo de desenvolvimento nas últimas décadas fez com que tivéssemos apostado na dimensão rodoviária em excesso.”

“Por via disso passámos de uma situação de carência para uma situação de desperdício, não soubemos encontrar o equilíbrio, temos uma relação ‘per capita’ de auto-estradas absolutamente única na Europa e com isso não fizemos na dimensão do mar o que tem sido sempre conhecido como uma área de desígnio em que devíamos apostar mas que muitas vezes fica mais pela dimensão poética e menos pela dimensão prática”, considera Aguiar-Branco.

Contudo, o ministro da Defesa recusou estender as culpas por esta situação a Cavaco Silva, que na altura da atribuição dos fundos europeus era primeiro-ministro.

fonte

TEJO VIGNETTE - GALERIA DE 120 FOTOS