Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Latas de conserva da Ramirez encontradas na despensa de Hitler

No ano em que morreria Dona Maria II e rebentava a guerra da Crimeia, o andaluz Sebastian Ramirez descia o Guadiana e fundava em Vila Real de Santo António a primeira conserveira portuguesa.

O investimento combinava a preparação de atum em salmoura com a produção de tecidos e fardas. Mas depressa a família abandonou o têxtil e se concentrou no negócio que lhe daria fama e proveito. Na sua peregrinação fabril, passou por Albufeira, Olhão e Setúbal antes de se focar em Matosinhos e Peniche, quando a escassez de matéria-prima ditou o encerramento de Vila Real de Santo António.

Cinco gerações depois, a Ramirez permanece como uma das marcas mais antigas do mundo a operar no mercado. Por ano, mais de 20 milhões de latas viajam para 35 mercados. Até no bunker de Hitler foram encontradas três latas de sardinhas made in Portugal.

Manuel Ramirez puxa de documentos para falar do passado. O futuro pertence aos seus dois filhos, os herdeiros do negócio familiar. A fundação da marca, em 1853, diz ele, "está certificada no primeiro cadastro realizado pelo Consórcio Português de Conservas de Peixe". A unidade iniciara a actividade sob a direcção de um mestre conserveiro catalão, que aprendera a tecnologia emergente na Bretanha.

CONTINUE A LER AQUI