Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Estivadores não excluem regresso às greves

Vítor Dias, do Sindicato dos Estivadores, diz que neste momento privilegiam a luta política, jurídica e sindical, mas refere que a greve nunca deixou de estar em cima da mesa.

Os estivadores não excluem regressar à greve como forma de protesto contra as novas regras do trabalho portuário, que foram publicadas esta segunda-feira em "Diário da República". Ainda assim, e nesta fase, dizem que privilegiam outras formas de luta.

"O facto de termos suspendido a greve não significa que abdicámos da luta. A luta continua e temos várias formas de a fazer, inclusivamente a greve, [que] nunca foi posta de parte. Neste momento privilegiamos a luta em três campos - jurídico, político e sindical", diz o presidente do Sindicato dos Estivadores.

Vítor Dias acusa ainda o Governo de estar a promover o desemprego. O sindicalista refere que no próprio dia de publicação da lei registaram-se 18 despedimentos só no Porto de Lisboa.

Os sindicatos que representam os estivadores vão, para já, avançar com um pedido de fiscalização sucessiva para o Tribunal Constitucional e ainda com uma queixa para a Organização Internacional do Trabalho.

A lei, publicada esta segunda-feira em "Diário da República", tem sido alvo de grande polémica. No final do ano passado sucederam-se as greves dos estivadores, paralisando muitos dos portos nacionais durante meses, com os pré-avisos a serem entretanto cancelados no final do ano.

Os estivadores contestam a proposta de novo regime do trabalho portuário, que acusam de servir para precarizar as suas funções, pôr em risco os seus empregos e tornar os portos inseguros ao permitir que pessoas sem qualificações específicas possam trabalhar na estiva.

A nova lei sobre o regime jurídico do trabalho portuário esteve na origem das sucessivas greves dos estivadores, que decorreram nos portos de Lisboa, Setúbal, Aveiro e Figueira da Foz até Dezembro.

Com a lei, o Governo abre o trabalho dentro dos portos a outros trabalhadores que não apenas os estivadores, diferenciando as várias tarefas e flexibilizando a contratação de pessoal. O acordo prevê também uma revisão do limite das horas extraordinárias e da sua remuneração, tal como do trabalho intermitente.

fonte

TEJO VIGNETTE - GALERIA DE 120 FOTOS