Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Animais vivem sem oxigénio no fundo do mar

Viver exclusivamente sem oxigénio era considerado um estilo de vida possível apenas a organismos unicelulares mas um grupo de investigadores italianos e dinamarqueses veio agora descobrir que três espécies de metazoários (animais multicelulares) aparentemente passam a vida inteira em águas sem oxigénio no fundo do Mediterrâneo.

A descoberta "abre um novo reino aos metazoários que pensávamos que não estivesse ao seu alcance", diz Lisa Levin, oceanógrafa biológica do Scripps Institution of Oceanography de La Jolla, Califórnia.

Roberto Danovaro, da Universidade Politécnica de Marche em Ancona, Itália, recolheu os animais durante três viagens de pesquisa ao largo da costa da Grécia. As espécies, que ainda não foram baptizadas, pertencem ao filo Loricifera, que reúne minúsculos animais que vivem no fundo do mar.

Medem menos de 1 milímetro de comprimento e vivem a profundidades de mais de 3 mil metros em sedimentos anóxicos da bacia de Atalante, uma zona tão pouco explorada que Danovaro compara as amostragens feitas pela sua equipa com "uma ida à Lua para recolher amostras de rocha".

Anteriormente, os investigadores já tinham descoberto animais multicelulares a viver em ambientes anóxicos mas Danovaro considera que nunca foi claro se os animais eram residentes permanentes. Os novos espécimes, que ele e a sua equipa agora vêm relatar, parecem "reproduzir-se e viver toda a sua vida em condições anóxicas", diz ele.

fonte

TEJO TABLET - GALERIA FOTOGRÁFICA