Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Unesco faz ultimato à Austrália porque a Grande Barreira de Coral está em risco

A Unesco fez um ultimato ao governo australiano para que tome medidas urgentes de protecção da Grande Barreira de Coral, em risco devido ao boom da indústria mineira e da exploração de gás. Se nada for feito, a organização ameaça incluir o maior recife de coral do mundo – classificado como Património Mundial desde 1981 – na lista do património “em perigo”.

Num relatório citado pela Reuters, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) menciona especificamente os planos do governo australiano para a criação de portos de gás natural e de carvão – nomeadamente os projectos previstos para ilha de Curtis e para Gladstone. A organização defende que o desenvolvimento destas indústrias deve ser feito de forma sustentável e deve limitar-se aos portos já existentes.

A Austrália lançou um programa de investimentos sem precedentes na exploração dos recursos energéticos, para responder à procura crescente de combustíveis por parte da Ásia. No total, estão a ser investidos 450 mil milhões de dólares australianos (cerca de 351 mil milhões de euros).

A Grande Barreira de Coral ainda não foi suficientemente afectada para ser declarada “em perigo”, mas a Unesco – que enviou uma equipa ao local em Março para avaliar a situação - acredita que aqueles projectos, a par do desenvolvimento da exploração mineira e do turismo, representam uma ameaça real.

“Considerando a elevada taxa de aprovações [de projectos] nos últimos 12 anos, esta escalada de desenvolvimento sem precedentes afectando ou potencialmente afectando o território motiva sérias preocupações sobre a conservação a longo prazo” do recife, diz a Unesco.

“Na ausência de um progresso substancial”, lê-se no relatório, o Comité do Património Mundial irá equacionar a integração do recife na lista de locais “em perigo” em Fevereiro de 2013.

A maior estrutura viva do mundo, com cerca de 2200 quilómetros de extensão e milhares de espécies, está também a ser afectada pela degradação da qualidade da água e pelas alterações climáticas, admite a Unesco, e por isso “é essencial travar o desenvolvimento económico que ameaça a resistência da barreira de coral”, refere o relatório citado pela AFP.

O ministro australiano do Ambiente, Tony Burke, reconheceu que a barreira está exposta “às alterações climáticas e ao impacto do desenvolvimento costeiro” mas salientou, em declarações à AFP, que o governo da capital, Camberra, está “perfeitamente ciente” dos riscos. Por isso, e “apesar da complexidade destas questões”, o Estado está “determinado a lidar com o problema, tomando uma série de decisões sobre o meio ambiente marinho e litoral”, acrescentou.

Por sua vez, o presidente da câmara de Queensland, Campbell Newman, que é o responsável local pela Barreira de Coral, lembrou que a região depende da exploração do carvão e que não está disposto a pôr em causa o futuro económico da cidade. Mas garantiu que vai proteger o ambiente.

Os ambientalistas australianos apelaram ao governo que tome medidas para evitar a “vergonha nacional” de ser incluído na lista de locais “em perigo” da Unesco.

fonte