Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O Pai Natal vem de trenó, mas e o bacalhau?

Tal como qualquer bela história de Natal que se conta às crianças na véspera de Natal, após a ceia em família e enquanto aguardam ansiosamente por abrir os presentes, também a logística do bacalhau é de encantar, numa viagem que embora não seja tão longa, requer algum tempo. De modo a compreender melhor esta travessia do mar para o prato dos portugueses, a Supply Chain Magazine visitou a fábrica da Riberalves na Moita, a maior na área de transformação de bacalhau do mundo, e que é 100% portuguesa!

Vindo directamente dos mares vikings, o bacalhau é pescado na Islândia, na Noruega e na Rússia, começando a sua travessia até chegar a Portugal, em contentores reefers, e por vias marítima e ferroviária ou rodoviária. A Riberalves importa anualmente entre 90 e 100 milhões de euros em matéria-prima, a qual irá ser processada e submetida a vários processos, de modo a adquirir a melhor qualidade possível. O segredo? “Bacalhau, sal e tempo”, conta Ricardo Alves, administrador da Riberalves.

“O segredo do nosso negócio está na previsão e está na compra. É tudo uma questão de previsão e gestão de planeamento. Primeiro na venda, para sabermos o que temos de comprar, e depois fazer a compra da matéria-prima.” – Ricardo Alves

A matéria-prima é comprada nos primeiros meses do ano, e é submetida aos processos de Escala, Salga e Cura, Secagem, Demolha e Ultracongelação. Mantendo a tradição nacional, o responsável conta também que grande parte do sabor está nos cânones antigos, na famosa “cura tradicional portuguesa”, um hábito antigo que faz parte do processo e é importante para a qualidade do produto, pois é o que lhe dá o verdadeiro sabor. Neste, o bacalhau irá estar em cura no sal entre 6 a 8 meses, um processo demorado, mas imprescindível para manter todo o sabor característico português.

No final do ano, a Riberalves tem um dos seus picos anuais de vendas, devido ao Natal, época em que os clientes optam por comprar produtos de maior qualidade e olhando um pouco menos ao preço. Cerca de 30% do bacalhau é vendido nesta altura do ano, acompanhando da melhor maneira os portugueses na noite de consoada.

Por ano, em Portugal, come-se cerca de 65 mil toneladas de bacalhau, ou seja, per capita, cada português come cerca de 6,5kg, o que corresponde a 26kg de peixe vivo, tornando o nosso país o maior consumidor de bacalhau per capita do mundo!

fonte