Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MARE promoveu debate sobre governação participativa de AMPs

Vários investigadores reuniram-se na Universidade Nova para um debate sobre a importância das áreas marinhas protegidas e o papel que os mecanismos de governação participativa, ou colaborativa, como preferem designar, podem desempenhar no seu planeamento.

A presença de Will MacClintock, investigador da Universidade da Califórna, Santa Barbara (UCSB) em Lisboa foi o pretexto para a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova (UN) acolher uma sessão sobre «Áreas Marinhas Protegidas e Participação Pública: Desafios, Experiências e Oportunidades».

Will MacClintock foi um dos três oradores e abordou a utilização do software SeaSketch na concepção e planeamento colaborativo de Áreas Marinhas Protegidas (AMPs). O SeaSktech é uma ferramenta informática disponível para todo o mundo destinada a facilitar o planeamento de AMPs através do método participativo.

Tem a vantagem de estar aberto não só aos cientistas, mas aos interessados (stakeholders), incluído as próprias comunidades e indivíduos susceptíveis de serem impactados por eventuais AMPs, como por exemplo comunidades piscatórias. Demorou 16 meses a desenvolver, com duas pessoas ocupadas a tempo inteiro e uma a tempo parcial e custou 450 mil dólares (cerca de 360 mil euros), esclareceu Will MacClintock.

Igualmente presente no painel esteve Emanuel Gonçalves, vice-presidente do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente – MARE (Marine Environmental Sciences Centre) da FCSH da UN e administrador da Fundação Oceano Azul, que dedicou a intervenção à importância das AMPs e ao papel dos prcessos colaborativos. Falou da importância “comummente aceite” das AMPs na salvaguarda dos oceanos, cujos recursos estão ameaçados pela sobre-exploração, porque a indústria extrai mais do mar do que o que é recomendado pela ciência.

Emanuel Gonçalves admitiu que existe uma “corrida às AMPs”, mas que estas estão longe de constituírem uma protecção real dos oceanos. “A norma hoje é a protecção parcial”, referiu, aludindo ao facto de muitas dessas áreas permitirem múltiplos usos. Referiu que no plano da governação dos oceanos “vão cada vez mais acontecer coisas” e que isso vai ter impacto no mar. Aludiu ainda aos instrumentos para uma melhor gestão dos oceanos, à relação custo/benefício da protecção marítima e à dimensão humana das AMPs, entre outros tópicos.

Finalmente, também esteve presente Lia Vasconcelos, investigadora do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente – MARE da FCSH da UN, que falou sobre governação colaborativa das AMPs e deu o exemplo do projecto MARGov, de que fez parte. Assente no caso do Parque Marinho Professor Luiz Saldanha (PMPLS), que integra a o Parque Natural da Arrábida (PNA), o MARGov – Governança Colaborativa de Áreas Marinhas Protegidas foi estruturar um Modelo de Governança Colaborativa (MGC) capaz de contribuir para a gestão sustentável dos oceanos e de ser extensível a outras situações, designadamente a uma rede nacional de AMPs.

A investigadora recordou-nos que após a conclusão do projecto, entre 2011 e 2014, “a equipa acompanhou o núcleo central dos fóruns, que eram os principais stakeholders, no evoluir da negociação do regulamento do Parque Marinho Luís Saldanha” e que depois de 2014 “o Instituto de Conservação da Natureza considerou tornar o Pós-MARGov num grupo de aconselhamento” do próprio Instituto. Neste momento, o Grupo do Mar, que resultou do MARGov, “é um grupo de aconselhamento estratégico do PMPLS”.

FONTE

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB