Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Subdiretor da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar envolvido na criação do MarinEye

“Sérgio Leandro (na foto), subdiretor da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – Politécnico de Leiria (MARE-IPLeiria), é um dos investigadores envolvidos na criação de um sistema autónomo para monitorizar os diferentes componentes dos oceanos e verificar as alterações na biodiversidade, os impactos no clima e as anomalias ambientais, o que vai permitir uma gestão sustentável desses recursos.

Em declarações à Lusa, a investigadora do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), Catarina Magalhães, explicou que o protótipo multitrófico MarinEye é uma nova abordagem de observação para compreender “a complexidade dos processos de interação físicos, químicos e biológicos que influenciam a estabilidade dos oceanos”.

“A vida no planeta está dependente de processos oceânicos, uma vez que são eles que produzem grande parte do oxigénio disponível na Terra, regulam o clima e fornecem vários recursos vivos e não vivos, como alimentos, energia, transporte ou medicamentos”, acrescenta Catarina Magalhães, que lidera a investigação.

Este projeto divide-se em quatro módulos, nos quais é possível observar e interpretar componentes oceânicos físicos, químicos, bioquímicos e biológicos ao mesmo tempo, em diferentes níveis tróficos, desde microrganismos a mamíferos marinhos, através da utilização de tecnologia avançada, lê-se em comunicado.

O primeiro módulo dedica-se à medição de parâmetros como a temperatura, a salinidade, o oxigénio dissolvido, o pH (indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de uma solução aquosa), entre outros, através de um sistema de sensores físico-químicos, e à mediação de dióxido de carbono dissolvido, recorrendo a uma plataforma de sensores óticos.

mais detalhes