Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Porto de Lisboa regista aumento de 219% no transporte fluvial de mercadorias

Nos primeiros 5 meses deste ano os sinais de retoma da atividade do Porto de Lisboa fazem-se também sentir no transporte de mercadorias por via fluvial, que registou um impressionante aumento de 219% na carga movimentada, face ao período homólogo de 2016, atingindo-se o meio milhão de toneladas.

Este aumento da procura pela via fluvial deve-se principalmente ao crescimento consolidado das exportações de clínquer, sendo esta movimentação assegurada por batelões a partir da CIMPOR, em Alhandra, para navios fundeados no “Mar da Palha”, com destino maioritário a países da Africa Ocidental. Destaque, ainda, para a contribuição dada pelo aumento registado, no mesmo período, no tráfego fluvial de granéis sólidos alimentares entre terminais portuários, com um incremento de 115,7% nas toneladas movimentadas.

O rio Tejo, enquanto via de transporte fluvial, permite assegurar por meio de barcaças e batelões, a movimentação de carga  de exportação/importação entre terminais portuários e os navios fundeados ao largo, bem como a movimentações de carga entre terminais portuários sendo esta última o que, nas estatísticas oficiais, se designa como “tráfego fluvial”.