Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Os desafios e oportunidades do Mar Português em debate no Porto

“A Engenharia Oceânica: desafios e oportunidades” é o tema que vai juntar cerca de 200 pessoas na Biblioteca Almeida Garrett, no Porto, esta quarta-feira, dia 11 de outubro, a partir das 10h30. A economia do mar representa 3% do PIB nacional e é um dos poucos setores nacionais em que a matéria-prima é portuguesa. A organização do evento é do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), no âmbito do evento anual “Fórum INESC TEC do Outono”.

“Temos um dos principais corredores marítimos a nível mundial a passar em frente à costa portuguesa, o que, por si só, representa uma série de oportunidades em termos económicos, mas também vários desafios para a engenharia oceânica. Um exemplo concreto está relacionado com o fenómeno a que temos assistido no que diz respeito à eliminação de combustíveis fósseis nos automóveis e a substituição por energias alternativas, que está também a decorrer nos transportes marítimos”, explica Pedro Guedes de Oliveira, responsável pela organização do Fórum do Outono.

De acordo com o responsável, a tendência nesta matéria é o investimento em navios que utilizem gás natural liquidificado (GNL). Qual a vantagem competitiva que o território português apresenta nesta matéria em relação à maioria dos países da Europa? “Graças à nossa posição geográfica somos uma potencial “estação de serviço” para os veículos que precisam de reabastecer pelo caminho. A esta situação está associada um aumento natural da nossa atividade portuária”, refere o antigo de presidente do INESC TEC.

No entanto, todas as oportunidades já nomeadas e as que ainda vão ser identificadas no âmbito do debate que vai ser promovido esta quarta-feira acarretam um conjunto de desafios para a engenharia oceânica.
Por exemplo, o aumento da atividade portuária portuguesa e a tendência que há relativamente à proliferação de navios autónomos vai obrigar os portos a repensar algumas questões de logística. A extensão marítima portuguesa e o seu melhor aproveitamento representam outra oportunidade para a economia portuguesa, no entanto a profundidade do mar e a sua energia requerem soluções adequadas em termos de engenharia.

“Existem uma série de projetos piloto a nível mundial que têm sido testados nas nossas águas precisamente para avaliar questões como a resistência das estruturas e a produção de energia das ondas. É por isso que convidamos para participar neste fórum empresas que já atuam nesta área e querem continuar a apostar. Pretendemos dar voz às empresas e colocar academia, indústria e Governo a discutir, em conjunto, as oportunidades e os desafios atuais e futuros da engenharia oceânica”, afirma Pedro Guedes de Oliveira.

O Fórum INESC TEC do Outono 2017 vai, assim, dividir-se em dois subtemas: Energia e Portos e Transportes. Na sessão Energia, que vai decorrer às 14h30, vão marcar presença empresas com a EDP, a VESTAS, a Wavec ou a A. Silva Matos. Na sessão Portos e Transportes, com início às 16h30, a discussão vai contar com entidades como a APDL, a Fórum Oceano, a Transinsular ou o Arsenal do Alfeite.

A discussão tem, no entanto, início de manhã, pelas 11h00. A sessão de abertura vai ficar a cargo de Pedro Guedes de Oliveira, antigo presidente do INESC TEC e Professor Emérito da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, e de Maria João Ramos, vice-reitora da U. Porto. Ainda de manhã, vai haver espaço para duas intervenções convidadas: Rui Marcelino, da Alma Design, e António Nogueira Leite, do Fórum Oceano.

O encerramento vai estar a cargo de José Manuel Mendonça, presidente do INESC TEC, e de Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O programa completo pode ser consultado em: http://forumdooutono.inesctec.pt/index.php/programa/

 

fonte