Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Conferência “Região de Setúbal, um pilar das exportações nacionais”

O Porto de Setúbal participou [18 de maio] conjuntamente com representantes do tecido empresarial da região, no Ciclo de conferências NOVO BANCO Empresas, dedicado à temática “Região de Setúbal, um pilar das exportações nacionais”, que decorreu no Fórum Luísa Todi, e cujo objetivo foi debater o potencial da região de Setúbal para o aumento da sua base exportadora permitindo ao seu tecido empresarial tornar-se competitivo a nível internacional, bem como identificar os desafios e oportunidades da região face à sua localização e facilidades logísticas.

O evento contou com a presença da vereadora da Câmara Municipal de Setúbal, Carla Guerreiro, que referiu a importância do desenvolvimento do acolhimento de novos investimentos em Setúbal, aumentando o seu tecido empresarial e por conseguinte representando um maior impulso nas exportações da região, tornando Setúbal num excelente local para se investir.

 

António Ramalho, CEO do Novo Banco, reforçou a percepção claramente marítima do Distrito de Setúbal, dando-se um renascimento da indústria, dos mercados e de novas propostas onde o Porto de Setúbal, a par dos restantes portos portugueses, tem um papel fundamental uma vez que serve uma forte indústria diversificada, instalada numa região bastante competitiva que regista uma recuperação económica com base nas exportações, ainda que se verifique a necessidade de aumentar a diversidade dos destinos das mesmas. Referiu ainda o reforço do papel do Novo Banco como banco de referencia no apoio às empresas nacionais.

 

Patrique Fernandes, Advisory Lead Partner da PwC, dando o mote para a discussão da mesa redonda abordou as megatendências nos negócios fazendo um enquadramento macro económico do país e do Distrito referindo ainda o impacto das tendências nas exportações, realçando o facto da região apresentar como forças e oportunidades a capacidade exportadora das grandes empresas, a experiência industrial, a proximidade dos portos relevantes, o facto de existir uma forte possibilidade de trabalhar em parcerias/clusters, os portos, o mar e o turismo funcionando como incentivo à inovação, exportação e aumento de competitividade.

 

A mesa redonda, dedicada à temática  “Ecossistema das Exportações”, contou com a presença da Presidente do Porto de Setúbal, Lídia Sequeira, o Presidente da TERSADO, António Andrade, o Presidente da José Maria da Fonseca, António Soares Franco, o CEO da RARI, Sérgio Ramos, o Administrador do Novo Banco, Vítor Fernandes e teve como moderador o jornalista Paulo Ferreira. O grupo debateu a importância das exportações na economia quer do país quer da região salientando por sua vez o desenvolvimento em cada uma das áreas da competência do seu tecido empresarial.

 

A Presidente do CA do Porto de Setúbal, Lídia Sequeira, reforçou o importante papel do Porto de Setúbal para as empresas da região, salientando as vantagens de estar integrado na Rede Ferroviária Nacional e à Rede Rodoviária Principal, pertencendo ao Corredor Atlântico da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T), de ser um porto com uma grande capacidade disponível instalada, com possibilidade de expansão na frente marítima e estar inserido numa das mais importantes zonas industriais do país e com possibilidade de instalação de novas unidades, bem como o facto de no primeiro trimestre de 2017 ter registado um crescimento na carga contentorizada de 9% em tonelagem e de 3% em TEU.

 

Para o crescimento da competitividade do porto a presidente do conselho de administração refere, que apesar de haver sempre um caminho a percorrer, já muito se tem desenvolvido em prol do incentivo ao investimento, inovação e modernização do porto, nomeadamente a implementação de uma JUP mais moderna, da Fatura Única e do Cartão Único Portuário em sinergia com as restantes administrações portuárias, bem como os projetos de Melhoria das Acessibilidades Marítimas, com o aprofundamento dos Canais da Barra e Norte permitindo a recepção de navios de 3000/4000 TEU, a Melhoria dos Acessos Rodoviários e Ferroviários, que permitirão ligações diretas mais eficientes, favorecendo as exportações. Referiu ainda que que o Porto de Setúbal é um porto com uma preponderância de atividade exportadora, constituindo esse tipo de movimento cerca de pelo menos 60% do total das mercadorias movimentadas, traduzindo-se em forte apoio às empresas da região e do país.

 

O Secretário de Estado das Pescas, José Apolinário encerrou o evento, reforçando a importância dos portos na área das exportações, bem como da afirmação  e notoriedade da marca Portugal para a competitividade do país. Salientou ainda a Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária – Horizonte 2026, levada a cabo pelo Ministério do Mar, e que visa catalisar investimentos privados, públicos e comunitários , fazendo dos portos hubs no contexto das exportações. Entre os quais se englobam os projetos do Porto de Setúbal com um investimento de 25, 2 milhões, e que representam um aumento sustentado de 60%, dando ao porto capacidade de resposta aos seus clientes. Por fim referiu a importância de uma visão transversal e integrada da economia do mar.