Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

CIIMAR contemplado com quase 1,5 milhões de euros para investigar algas azuis

As cianobactérias, também conhecidas por algas azuis, serão o objecto de uma investigação no CIIMAR, a desenvolver por Pedro Leão e a sua equipa, contemplada com uma Bolsa do Conselho Europeu de Investigação.

Pedro Leão (na foto) foi um dos oito investigadores portugueses ou a trabalhar em Portugal contemplados com uma Bolsa da União Europeia (UE), por via do Conselho Europeu de Investigação (CEI), destinado a investigadores em início de carreira. Na base da Bolsa está o projecto Fatty acid incorporation and modification in cyanobacterial natural products, que o investigador vai desenvolver no Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto a partir de 2018.

Segundo a Comissão Europeia (CE), o valor da Bolsa é de 1.462.938 euros e é “atribuído a 100% pela União Europeia”, por via do CEI, “sem qualquer contrapartida nacional ou de outra entidade”, referiu-nos Pedro Leão. O projecto tem a duração de cinco anos, “pelo que deverá estar concluído no final de 2022”, referiu o investigador ao nosso jornal.

Conforme nos explicou Pedro Leão, de forma sucinta, este projecto visa “utilizar uma nova metodologia para descobrir compostos de natureza lipídica produzidos por cianobactérias”, uma sub-classe das bactérias correspondente a micro-organismos unicelulares também conhecidos por algas azuis, que obtêm energia pela fotossíntese e vivem em habitats variados, desde campos gelados até aos desertos mais quentes.

“Muitos destes compostos podem ter propriedades bioactivas”, pelo que o investigador e a sua equipa, que terá mais quatro cientistas ainda a recrutar, vão estudar “também a forma como os lípidos (em particular os ácidos gordos) são modificados pelas cianobactérias”, dado que se prevê que “recorram a enzimas que a Ciência ainda não conhece e que podem ter importantes aplicações biotecnológicas”, referiu-nos Pedro Leão.

Para o cientista, “este projecto é de investigação fundamental e, como tal, não pretende resolver um problema ambiental ou desenvolver um produto”, tratando-se de um projecto de descoberta, e existe uma probabilidade considerável de que um dos novos compostos possa vir a ter uma aplicação farmacológica ou que uma das novas enzimas se possa vir a tornar num bio-catalisador”. Segundo nos explicou, “espera-se ainda que o conhecimento gerado possa vir a melhor a capacidade futura de bio-prospecção, ou seja, de encontrar compostos ou enzimas de interesse em micro-organismos de uma forma mais rápida e eficiente”.

Esclareceu-nos ainda que embora só o CIIMAR seja beneficiado por este financiamento, a instituição vai manter as colaborações que já desenvolve nesta área com o Instituto de Inovação em Saúde (i3S), também da Universidade do Porto, e com a Universidade de Harvard, dos Estados Unidos.

Segundo informou a CE, “as subvenções do CEI são atribuídas a investigadores de qualquer nacionalidade, estabelecidos ou dispostos a instalar-se na Europa”. “Este ano foram recebidas 3.085 propostas, das quais cerca de 13% foram financiadas”, refere a CE, num total de 406 investigadores, de 48 nacionalidades em 23 países europeus, refere a CE, acrescentando que 45 beneficiários são “cidadãos de países não europeus, baseados em toda a Europa”. No total, foram atribuídas subvenções no valor de 605 milhões de euros.

fonte