Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Ana Paula Vitorino: «Não há plano B para o mar»

Na sessão de abertura da conferência internacional do «Oceans Meeting 2017», a ministra do Mar reconheceu que a globalidade das soluções para os problemas do mar é uma ideia que só agora começa a fazer escola.

Todos os ministros presentes da reunião ministerial do «Oceans Meeting 2017» assumiram que os problemas do mar são globais, revelou a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, na sessão de abertura da conferência internacional promovida no âmbito daquela iniciativa.

Para a ministra do Mar, a plenitude desse reconhecimento “não é coisa pouca”, porque a admissão de que os problemas dos mares são globais e requerem soluções à escala global “é um pensamento que só agora começa a fazer escola”. Segundo Ana Paula Vitorino, “os problemas dos oceanos ou são enfrentados em conjunto ou não têm solução”.

A ministra do Mar acrescentou que “não há plano B para o mar, não há plano B para os oceanos”, e defendeu que “não podemos acabar com a galinha dos ovos de ouro”, porque “se anunciamos um futuro com base no mar, é com base naquilo que o mar nos pode dar, a sua sustentabilidade, os seus recursos”.

Na ocasião, Ana Paula Vitorino apelou à multidisciplinaridade na análise dos problemas do mar e ao envolvimento do meio financeiro para responder às necessidades. Duas ideias constantes da Declaração sobre os Oceanos e a Saúde Humana, subscrita no mesmo dia por todas as delegações presentes na reunião ministerial do «Oceans Meeting 2017». Finalmente, manifestou a esperança de que todos os subscritores venham a cumprir os compromissos assumidos na declaração.

Composta por 24 pontos, ou compromissos, a declaração terá sido subscrita por 70 delegações de mais de 50 países, incluindo 38 ministros e Secretários de Estado relacionados com os assuntos do mar. Segundo o Ministério do Mar, ali “constam compromissos de partilha de conhecimento e inovação tecnológica, em que o papel dos mares como fonte de nova esperança para o tratamento de doenças é também destacado”.

fonte