Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Números impressionantes por detrás da obra ferroviária que aproximará o Alentejo à Europa

Em pleno Alentejo decorrem a “velocidade cruzeiro” as obras da maior extensão de caminho-de-ferro construída, em mais de um século, em Portugal.

Uma obra que se iniciou em setembro de 2019 e que após a sua conclusão permitirá reduzir o trajecto entre o porto de Sines e a fronteira com Espanha em 150 quilómetros, com um ganho de três horas e meia, deixando assim o Alentejo mais próximo da Europa.

Dia após dia, vai crescendo uma infraestrutura fundamental para a conexão ferroviária dos portos e das zonas industriais e urbanas localizadas no sul de Portugal, a Espanha e ao resto da Europa.

Esta grande obra, significa também números impressionantes a todos os níveis, que ODigital.pt foi conhecer melhor numa visita conduzida pelo Gestor do Empreendimento, André Oliveira e pela Gestora da Obra, Carla Pinto, da empresa Infraestruturas de Portugal, que classificaram esta obra como “desafiante”.

continue a ler aqui