Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MISTÉRIO DO GPS

Navios «teletransportam-se» entre continentes e movem-se em círculos

Há um estranho fenómeno a acontecer com os navios em redor do mundo. As embarcações andam às voltas, “teletransportam-se” entre continentes e a sua localização de GPS é falsa. Por vezes, estão misteriosamente a milhares de quilómetros de distância.

Na madrugada de 31 de maio, oficiais a bordo do navio petroleiro Willowy foram chamados para saber que o seu navio e quatro outros estavam a navegar misteriosamente em círculos, incapazes de dirigir e a caminho de convergir. Imediatamente, pensou-se que fortes correntes estavam a empurrar os navios. Porém, não havia tais correntes onde os navios navegavam no sul do Oceano Atlântico, a oeste da Cidade do Cabo, na África do Sul.

De acordo com o NewScientist, navios que parecem navegar em círculos tornaram-se um fenómeno cada vez mais comum e misterioso perto de vários portos na costa da China, especialmente perto de terminais de petróleo e instalações do Governo.

Em todos os casos, ficou claro que a localização real era razoavelmente próxima dos locais onde pareciam andar às voltas. No entanto, nas observações mais recentes, os locais reais dos navios estavam a milhares de quilómetros de distância – literalmente, do outro lado do globo, na maioria dos casos.

Investigadores que monitorizam esses círculos bizarros perto da costa chinesa acreditam que provavelmente são o resultado de uma manipulação sistemática de GPS projetada para minar um sistema de rastreamento que todos os navios comerciais devem usar de acordo com a lei internacional.

Conhecida como AIS (sistema de identificação automatizada), a tecnologia transmite identificadores exclusivos de cada embarcação – juntamente com a localização, o curso e a velocidade do GPS da embarcação a outros navios nas proximidades.

Estas descobertas foram reveladas na reunião anual da Resilient Navigation and Timing Foundation em 5 de maio. O investigador, Bjorn Bergman, da SkyTruth, disse que conseguiu verificar a localização verdadeira aproximada das embarcações ao examinar o campo de visão do satélite que recebe os relatórios de posição do AIS. Por exemplo, um satélite que só conseguia ver o Golfo da Guiné na África Ocidental recebeu informações do AIS que colocavam a embarcação no mar de Pt Reyes, no norte da Califórnia.

Questionado sobre se isto era resultado de falsificação, Bergman disse que não tinha a certeza. Incidentes anteriores de “circulação de embarcações” na China foram causados por alguma forma de interferência no GPS. Os relatórios de rastreadores de fitness com base em GPS foram afetados de forma semelhante na mesma área e ao mesmo tempo. Atualmente, não há dados semelhantes para estes eventos marítimos.

A análise também é dificultada pelo baixo número de embarcações envolvidas – apenas 12. Os navios afetados são de tipos e operações muito diferentes. Barcos-piloto, barcos de trabalho, rebocadores, cargas e embarcações de passageiros estiveram envolvidos no fenómeno. Esses navios foram localizados em todas as regiões do mundo, exceto na América do Norte.

A duração dessas interrupções também variou bastante. O mais curto registado foi um navio frigorífico – menos de meia hora. Já um barco de tripulação esteve “deslocado” durante mais de 16 dias.

A maioria dos navios relatou posições circulantes na costa do norte da Califórnia, embora dois tenham sido deslocados para Madrid, um para a vizinhança de Hong Kong e outro para a cidade chinesa de Shanwei. O navio afetado durante mais tempo relatou pela primeira vez uma posição falsa no mar do norte da Califórnia. Nos dias seguintes, o local falso flutuou quase mil milhas para o leste, movendo-se para o interior, até Utah.

Bergman admite abertamente que não sabe explicar este fenómeno. Parece estar relacionado com o GPS e com o tipo de “falsificação de círculo” anteriormente observado na China e no Irão. No entanto, a falta de semelhanças entre os navios e os incidentes dificulta deduções.

Por enquanto, o fenómeno dos navios que navegam às voltas e que se teletransportam entre continentes continua a ser um verdadeiro mistério.

ZAP //