Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Descoberto documento inédito de Gago Coutinho

No ano em que se comemoram 150 anos do nascimento do Almirante Gago Coutinho, o Arquivo Histórico da Marinha identificou um documento inédito desta figura pública: um “Projeto de Aparelho de Sinaes por Luz Eléctrica”, apresentado ao Conselho do Almirantado em 19 de setembro de 1897, bem como um “Aditamento à Memória sobre um Novo Aparelho de Sinaes Eléctricos”, proposto ao Comando da Divisão da Reserva em 17 de agosto de 1899. Estes documentos estão na Documentação Avulsa: Processos de Oficiais da Armada – Classe Marinha, Caixa 735 e podem ser consultados no Arquivo Histórico da Marinha.

O vice-almirante Carlos Viegas Gago Coutinho, distinto oficial da Armada e notável geógrafo e navegador, n​asceu em Lisboa a 17 de novembro de 1869, onde fez o curso do Liceu e, depois de frequentar a Escola Politécnica, em 1885-86, entrou na Escola Naval, concluindo o curso em 1888.

Foi oficial de guarnição de vários navios e comandou as canhoeiras Sado e Pátria e a lancha-canhoeira Lage.

O seu muito saber, de geógrafo e navegador de larga experiência, e o seu espírito empreendedor e investigador, levaram-no a dedicar-se ao estudo da navegação aérea, ainda incipiente nessa época. Para este fim, ligou-se ao seu antigo companheiro de trabalhos geográficos nas colónias, o capitão-tenente Sacadura Cabral, distinto aviador da Marinha, e, num trabalho que de princípio se fez em muito segredo, começaram a realizar voos experimentais para o estudo de novos métodos de navegação aérea, já com o objetivo de efetuar a travessia aérea de Lisboa ao Rio de Janeiro.

Em 1921, Gago Coutinho como navegador, faz com Sacadura Cabral uma viagem aérea experimental de Lisboa ao Funchal, em que se pôde na prática verificar a exatidão dos novos processos de navegação e pelos quais foi louvado. E é então que, em 1922 (março - junho), no modesto hidroavião do tipo Fairey F III-D Lusitânia, aqueles dois oficiais realizam a primeira travessia aérea de Lisboa ao Rio de Janeiro, que havia de ficar memorável.