Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




PARTIU DE LISBOA A 25 DE MARÇO DE 1505

Conheça a história da «Flor do Mar»

Frol de la Mar ou Flor de la Mar (flor do mar) foi uma nau portuguesa de 400 toneladas, que ao longo de nove anos participou em vários acontecimentos marcantes no oceano Índico até ao seu naufrágio em Novembro de 1511. Nela viajava Afonso de Albuquerque de regresso da conquista de Malaca, com um imenso espólio e tesouros para o rei que se perderam ao largo de Sumatra, tornando-a um dos mais míticos tesouros perdidos. Uma réplica da Flor de la Mar abriga o Museu Marítimo de Malaca.
 

ALCÂNTARA, 1903

A Banda dos Marinheiros da Armada, os gramofones ou «coisas do demo»

Em Março de 1903 desembarcava em Lisboa o súbdito de Sua Majestade Britânica Edward Mole, acompanhado de um pesado caixote que saído do porão da cidade de Liverpool era colocado num carro puxado a duas muares e conduzido por duas praças da Marinha, que o levaram para o Quartel de Marinheiros em Alcântara.

18 DE NOVEMBRO DE 1964

Construção da ponte sobre o Tejo entra numa fase decisiva

A 18 de Novembro de 1964, a construção da ponte sobre o Tejo entra numa fase decisiva, com o lançamento dos passadiços de serviço entre as duas margens, o que permite ao ministro Arantes de Oliveira e outras entidades atravessarem o Tejo, entre Lisboa e Almada, pela primeira vez a pé.

18 DE NOVEMBRO DE 1791 - NASCE 2.º VISCONDE DE SANTARÉM

Expoente da cartografia da costa ocidental de África para lá do Cabo Bojador

A 18 de Novembro de 1791, nasce, em Lisboa, o historiador, diplomata e estadista português Manuel Francisco de Barros e Sousa de Mesquita de Macedo Leitão e Carvalhosa, 2.º Visconde de Santarém. Fez a recolha de diversos materiais cartográficos referentes à descoberta, pelos portugueses, da costa ocidental de África para lá do Cabo Bojador, que reuniu na obra Atlas composé de cartes des XIVe, XV, XVI et XVII siécles.

18 DE NOVEMBRO DE 1916

DESERTAS encalha ao norte da Vagueira

No dia 15 saiu de Lisboa em lastro para Leixões, onde carregaria toros de pinheiro para Inglaterra, com bom tempo e mar chão, até às 6 horas do dia 16, em que avistou o farol da Luz. Pairou essa noite fora do porto, mas como depois das 16 horas o vento começasse a refrescar pelo S. W., carregando-se a atmosfera, às 19 horas virou para fora e correu para o mar com rumo S. W. para se afastar da costa.

17 DE NOVEMBRO DE 1964

Savannah, o primeiro navio mercante atómico do mundo, entra no rio Tejo

A 17 de Novembro de 1964, Savannah, o primeiro navio mercante movido a energia nuclear, entra no rio Tejo, onde permanecerá sete dias. Possui acomodações para 60 passageiros e 110 tripulantes, tendo, ainda, espaço para mercadorias. Poderá dar sete voltas ao mundo sem necessidade de se abastecer, enquanto um navio convencional precisaria de noventa mil toneladas de energia.

SAVANNAH

Construído ao abrigo do programa «Átomos pela Paz»

O Savannah foi um exemplo da iniciativa do governo de Eisenhower, "Átomos pela Paz". Em 1955, "Ike" propôs a construção de um navio movido a energia atómica. No ano seguinte obteve a autorização necessária por parte do congresso americano.

CRUZEIRO À MADEIRA E CANÁRIAS NO SANTA MARIA | 14.11.1964

Turismo: Satisfaça agora um sonho de sempre!

A 14 de Novembro de 1964, o Diário de Lisboa dava à estampa um anúncio da Star - Turismo e Viagens, publicitando um cruzeiro, de fim de ano, à Madeira e às Canárias, no navio Santa Maria. Eram oferecidas condições excepcionais: não era necessário passaporte, bastava o Bilhete de Identidade. «Satisfaça agora um sonho de sempre. Férias de Verão em Dezembro, no ambiente de um paquete de luxo e nos cenários surpreendentes da Madeira e das Canárias. Preços a partir de 1790$00 (€8,95)».

A FUNCIONAR DESDE 15 DE NOVEMBRO DE 1927

Farol Gonçalo Velho, ilha de Santa Maria | Açores

Localizado na Ponta do Castelo, posição esta já referenciada no Plano Geral de Alumiamento de 1883, começou a funcionar no dia 15 Novembro de 1927. Todos os Faróis nos Açores herdaram o nome da localização onde foram instalados e este não fugiu à regra, tendo sido inaugurado com o nome “Farol da Ponta do Castelo” (ponta onde está localizado).  A 3 de Março de 1930 passou a designar-se Farol de Gonçalo Velho.
 

UM GRAVE PROBLEMA

O caso da pesca vai resolver-se?

Vigo! Apeamo-nos do camion que, de La Guardia, nos trouxe, por Baiona, até à importante cidade galega.
Vigo, sendo uma cidade velha, não se contentou com a sua velhice. Tratou de acompanhar o progresso (...).
Diário de Lisboa, 15 de Novembro de 1923.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

O fio de água - o porto e as obras portuárias (Douro-Leixões)

Tendo como referência a histórica ligação do Porto ao uso da água como via de transporte, este artigo procura reflectir sobre as principais intervenções realizadas no âmbito portuário, considerando a perspectiva histórica, enquadrando e fazendo sobressair as virtualidades técnicas e económicas das sucessivas reconfigurações operadas nos portos do Douro e Leixões.

AÇORES

Farol da Ponta da Ferraria inaugurado a 9 de Novembro de 1901

O farol da Ponta da Ferraria, em São Miguel, foi inaugurado a 9 de Novembro de 1901. Fica quase em frente ao lugar onde existiu a ilha Sabrina, uma pequena ilha formada em Junho e Julho de 1811 por uma erupção vulcânica submarina que ocorreu ao largo da Ponta da Ferraria, na ilha de São Miguel, Açores.

Ponte D. Maria Pia inaugurada a 4 de Novembro de 1877

Projectada pelo engenheiro alemão Théophile Seyrig e construída entre 5 de Janeiro de 1876 e 4 de Novembro de 1877, pela empresa Eiffel Constructions Métalliques, fundado por aquele e por Gustave Eiffel, esta foi a primeira ponte ferroviária a unir as margens do rio Douro. A solução inovadora do “arco para vencer um vão de 160 metros permitiu fazer uma ponte que muitas pessoas designam como sendo transparente”.
O professor catedrático Raimundo Delgado, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, entrevistado pela Agência Lusa, explica que esta obra “envolveu muita inovação para a época”. Foi mesmo considerada pela American Society of Civil Engineers “um marco da engenharia civil mundial”.
 

2 DE NOVEMBRO DE 1901

Iate real Amélia IV chega a Cascais

O Amélia IV foi um navio comprado pelo Rei D. Carlos I, em 1901, para servir de iate Real, de navio de guerra e de navio hidrográfico. Originalmente chamado Banshee, o Amélia IV foi o quarto iate, baptizado com este nome, adquirido pelo Rei D. Carlos I, para ser usado nas suas campanhas oceanográficas. Tal com os três primeiros iates, este foi também rebaptizado em homenagem à sua mulher, a rainha D. Amélia de Orleães. O navio chegou a Cascais a 2 de Novembro de 1901.

31 DE OUTUBRO DE 2012

Porto de Lisboa assinalou 125.º aniversário

A 31 de outubro de 2012, o Porto de Lisboa assinalou o seu 125º aniversário, uma data histórica que representa e reflete o longo caminho percorrido e o trabalho desenvolvido ao longo de mais de um século de existência.

31 DE OUTUBRO DE 1887

Começa a construção do Porto de Lisboa

Em 1887 dava-se início a um dos mais notáveis projectos para bem da vida económica portuguesa e da higiene da capital, "As grandes obras do Porto de Lisboa". Estas obras fizeram desaparecer as praias lodosas chamadas "lamas de aterro", donde se exalavam miasmas que inquinavam o ambiente e originavam muitas doenças, como por exemplo as "febres de aterro". Após as obras estas doenças tenderam a desaparecer, graças à regularização das margens.

A Difícil História da Construção do Moderno Porto de Lisboa

Durante os muitos anos de construção do porto, Lisboa não teve um porto de atracagem de navios propriamente dito. Havia algumas pontes-cais muito temidas pelos comandantes dos navios e uma ponte mais sólida para serviço dos navios de guerra no arsenal de Marinha. A carga e descarga dos navios eram feitas principalmente para canoas, faluas e, principalmente, para as fragatas do Tejo que perduraram durante décadas.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

O Aterro

Com a construção do «Porto de Lisboa» reconhecia-se a necessidade de obviar as medidas sanitárias nas margens do rio TEJO, bem assim como a inevitável expansão urbanística, condicionada pela realização do «ATERRO» na zona com a designação muito frequente usada na época de: «ATERRO DA BOAVISTA».
Com o fim de acabar de vez com a verdadeira lixeira que nesta zona existia, e pensando já numa ordenação costeira na margem direita do rio, tendo em vista uma futura zona portuária, procedeu-se à construção de um «ATERRO» entre o «CAIS DO SODRÉ» e «ALCÂNTARA».

PARECE QUE É HOJE QUE A BARCA VAI MESMO AO FUNDO!

1500 memórias 100 anos no mar

A barca das memórias do Porto vai ser afundada em alto mar esta terça-feira, 22 dias depois do previsto, saindo da marina da Afurada, às 10:00, disse à Lusa fonte do programa cultural Manobras.
“Confirmam-se as boas condições de mar e a disponibilidade da Administração dos Portos do Douro e Leixões (APDL), dos mergulhadores, da embarcação da Feeldouro, para se proceder ao afundamento final esta terça-feira”, disse à Lusa Lino Teixeira, assessor do programa Manobras.

30 DE OUTUBRO DE 2011

Cargueiro encalha no Porto de Leixões

Um navio com bandeira do Chipre encalhou a 30 de Outubro de 2011 à entrada do Porto de Leixões. Com 133 metros de comprimento, o cargueiro ficou com a proa pousada nas pedras do molhe norte, à entrada da barra, por volta da meia-noite. Com a maré vazia, tornou-se complicada a manobra para desencalhar o navio, carregado de contentores e que bloqueava a entrada do porto de Leixões.

Total: 721